Estudos Arqueológicos no Rio de Janeiro

[ATIVIDADE DE ESCLARECIMENTO]*

Arqueólogos da A Lasca estarão Rio de Janeiro (RJ) para realizar estudos de campo. Nesse período, serão entregues folhetos explicativos no Terreiro Illê Asé Yatopé, localizado próximo ao bairro Cascadura e no Centro Espírita Luz e Força, localizado no bairro Vargem Pequena. Esses folhetos objetivam informar a população local sobre a necessidade de estudos arqueológicos para o licenciamento ambiental de empreendimentos.

Essas ações de esclarecimento integram os projetos de Avaliação de impacto ao patrimônio arqueológico na área de implantação do condomínio residencial Arte Ville e a Avaliação de impacto ao patrimônio arqueológico na área de implantação do condomínio residencial Recanto da Praia. Esses estudos foram autorizados pelo Iphan, órgão do Governo Federal responsável pela gestão do patrimônio arqueológico, por meio das Portarias n.º 48 de 22/07/2019 e n.º 50 de 29/07/2019, respectivamente.

Por que são necessários esses estudos?

Sítios arqueológicos são bens da União e são protegidos por legislação federal, Lei n. 3.924/61, sendo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan o órgão responsável pela proteção desses sítios. A legislação objetiva a proteção desses bens e exige estudos prévios como forma de garantir a redução dos impactos ao patrimônio arqueológico durante a implantação de empreendimentos.

Para que se possa ter sucesso na proteção dos bens culturais, sejam os arqueológicos ou quaisquer outros, é importante o entendimento de que todos nós somos responsáveis por cuidar desses bens para que as gerações futuras possam conhecê-los.

Esta ação busca estimular as percepções e envolver os moradores com seu patrimônio, desenvolvendo, ou ainda, exercitando noções de pertencimento, de identidade e alteridade. Estas atividades são uma forma de diálogo entre os pesquisadores e a comunidade, visando à valorização, ressignificação e proteção do patrimônio arqueológico e cultural da cidade.

Bens culturais

Bens culturais são elementos representativos da história e da cultura de um lugar e que são importantes para o grupo de pessoas que ali vivem. O município do Rio de Janeiro possui grande diversidade de bens tombados a nível federal, isto é, protegidos por lei pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, totalizando 231 bens culturais tombados. O município ainda conta com bens que estão protegidos pelo órgão estadual Inepac e outros pelo órgão municipal Instituto Rio Patrimônio da Humanidade.

  • Pavimentação tipo Pé de Moleque*  Rua Santo Alfredo e Ladeira do Viana (Largo das Neves) no bairro de Santa Teresa.

site-pe-de-moleque-1jpg-largo-dos-nevesFonte: As histórias dos monumentos do Rio de Janeiro Crédito da imagem: Vera Dias.

*Os chamados pés-de-moleque, ou calçada portuguesa, são os antigos calçamentos construídos sobre terra batida com pedras irregulares ou de seixos rolados (pedras redondas de rio). As ruas do Rio de Janeiro eram de terra batida e, com o tempo, foram sendo pavimentadas com pedras, a fim de permitir a circulação em diversas situações climáticas, surgindo o piso de pé-de-moleque. Disponível em: As histórias dos monumentos do Rio de Janeiro.)

  • Núcleo histórico da Colônia Juliano Moreira

Colonia Juliano Moreira

Arcos da Colônia Juliano Moreira. Fonte: Wikipedia Commons

ee61fe2896932dce42b2627cb3c942bf

Arcos da Colônia Juliano Moreira.

Fonte:  Pinterest – Imagem do Acervo fotográfico do Museu Bispo do Rosário.

Sítios arqueológicos no Rio de Janeiro

No município do Rio de Janeiro, existem 154 sítios arqueológicos registrados na base de dados do Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos – CNSA, banco de dados mantido e atualizado pelo Iphan. Dentre os quais estão:

  • Sítio arqueológico Cemitério dos Pretos Novos: sítio arqueológico histórico, ou seja, do período após a chegada dos portugueses.
  • Sítio arqueológico Galeria Subterrânea do Humaitá: sítio arqueológico histórico.
  • Sítio arqueológico Sambaqui Lagoa Rodrigo de Freitas: Os sítios sambaquis são concheiros que são montes ou montículos formados por acúmulo de conchas produzidos intencionalmente por grupos humanos do período pré colonial, ou seja, grupos que habitavam a região antes da chegada dos portugueses.
  • Sítio arqueológico Gruta da Fundição: Sítio arqueológico pré-colonial (de período anterior a chegada dos portugueses), é um abrigo sob rocha com presença de material lítico (lascado em rocha).
  • Sítio arqueológico Cerâmico Oleoduto Ilha D’Água: Sítio arqueológico pré-colonial com presença de cerâmicas de tradição Tupiguarani.
A quem comunicar caso encontre vestígios arqueológicos na cidade:

Superintendência do Iphan no Estado do Rio de Janeiro

Telefones: (21) 2233-7993

Email: gabinete.rj@iphan.gov.br

Para saber mais:
Centro Nacional de Arqueologia – Licenciamento Ambiental – Educação Patrimonial

* ESTE TEXTO FAZ PARTE DO CONJUNTO DE PRODUTOS DESENVOLVIDOS PELA A LASCA ARQUEOLOGIA PARA ESCLARECIMENTO À COMUNIDADE LOCAL, EM ATENDIMENTO À INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 1/2015 E PORTARIA N. 137/2016 DO IPHAN.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s